21 junho 2017

Isabel Calheiros


MARIA ISABEL FERNANDES CALHEIROS

Bibliotecária na Biblioteca Virtual da Unidade de Telessaúde (UT), da Gerência de Ensino e Pesquisa (GEP), do Hospital Universitário Professor Alberto Antunes (HUPAA - UFAL - EBSERH). Contadora de Histórias do Projeto Anjos do HUPAA e do Grupo As Carochinhas. Diretora do Conselho Fiscal do Sindicato dos Bibliotecários de Alagoas (SINBIBLIO/AL).
Foi responsável pela reestruturação e coordenação da biblioteca da Faculdade Raimundo Marinho em Penedo. Atuou no CRAS/Messias ministrando oficinas literárias para crianças e adolescentes. Possui graduação em Biblioteconomia pela Universidade Federal de Alagoas e especialização em Recursos Humanos pelo Centro Universitário CESMAC.



Inforbiblio: Como você escolheu a biblioteconomia?




Isabel Calheiros: Foi meio por acaso, terminei o ensino médio e fiquei 17 anos sem estudar, estava num casamento, meio que acomodada, foi quando passei por um processo de separação, que me deu uma sacudida, a vida complicou. Aí eu pensei em voltar a estudar. A Michele Rodrigues, que é bibliotecária e, também é afilhada da minha mãe. Na época ela era ainda estudante de biblioteconomia, me falou um pouco sobre o curso e eu me interessei. Então fiz cursinho para o vestibular e passei. Ao comparecer à aula inaugural, eu fui surpreendida, pois não sabia que havia passado em 1º lugar e ainda, fui premiada com diploma, que guardo até hoje, e uma camiseta, pelo feito. No decorrer do curso eu fui descobrindo realmente a missão da biblioteconomia, da importância que ela tem, da importância do profissional em gerir a informação, em provocar mudança social na vida das pessoas por meio da disponibilização da informação e incentivo à leitura. Eu fui me apaixonando cada vez mais e hoje estou aqui no centro de apoio à pesquisa

Inforbiblio: Como foi a experiência de ser aprovada em um concurso público?


Isabel Calheiros: Essa não foi a minha primeira experiência. Fiz outros concursos antes, mas não fui muito dedicada em nenhum deles, pois eu trabalhei durante 10 anos em outra cidade, em Penedo, e não me sobrava muito tempo. Às vezes eu era aprovada e não era classificada nas vagas. Até que eu passei em 1º lugar no Concurso da Prefeitura de Palmeira dos Índios, só que quando fui tomar posse, eu vi que não iria compensar. A remuneração era incompatível com as despesas. Era muito caro ir e voltar todos os dias de uma cidade a outra. E para morar lá, também não daria. Muitas pessoas me aconselharam para eu ficar lá e depois tentar uma negociação, mas eu abri mão. Depois aconteceu esse da Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares (EBSERH). Passei em 4º lugar, mas com a prova de títulos, eu fiquei em 1º lugar. Eu acho que tudo tem a sua hora certa para acontecer.

Inforbiblio: como está sendo essa experiência de trabalhar no Centro de Apoio à Pesquisa do HUPAA?

Isabel Calheiros: Embora eu seja empregada da EBSERH, como no meu trabalho anterior, sou regida pela CLT, é bem diferente a instituição pública da empresa privada. No começo eu estranhei, pois achava que aqui as coisas funcionariam mais ou menos como no trabalho anterior, aqui há uma maior exigência de processos burocráticos, de protocolos, podemos dizer que os fluxos de trabalho são mais sistematizados. Mas, já estou adaptada. O Centro de Apoio à Pesquisa é formado por vários setores. O meu setor e a Biblioteca Virtual (BV) vinculada â Unidade de Telessaúde (UT) e Gerência de Ensino e Pesquisa (GEP) do HUPAA-UFAL-EBSERH. A UT é gerida pela Prof. Rosaline Mota, que é do quadro de professores do Curso de Biblioteconomia da UFAL, é ligada à Rede Universitária de Telessaúde (RUTE), disponibiliza recursos materiais e humanos, para promover web e vídeo conferências na área de saúde, facilitando o intercâmbio entre os profissionais da área. A BV tem a missão de fornecer acesso às bases de dados científicas na área da saúde para a comunidade acadêmica do HUPPA, contribuindo assim com o processo de formação acadêmica dos usuários e fomentando a pesquisa e o ensino no âmbito hospitalar.

Inforbiblio: A biblioteca é só para os funcionários do HUPAA?

Isabel Calheiros: Não, mesmo porque o HUPPA é um hospital escola, então ela faz parte não só do hospital, mas da UFAL, como eu disse anteriormente. Se chegar aqui qualquer aluno da UFAL, ele também pode pesquisar. Quando eu tomei posse do cargo, a biblioteca era apenas virtual, só tinha os computadores e nada de livros. Esse pequeno acervo que você está vendo, nós conseguimos através de doações. Enviamos ofícios para as editoras e agora já temos em torno de 800 exemplares, fomos contemplados também com uma doação do Sistema Estadual de Bibliotecas Públicas de Alagoas (PBE). A ideia é que esses livros sejam disponibilizados para os pacientes. Mas para isso teríamos que possuir uma equipe maior, porque para essa circulação entre pacientes, tem que existir todo um cuidado, tem que haver todo um processo de higienização diferenciado. Há um protocolo para isso que ainda estamos estudando. Por enquanto nós estamos emprestando apenas para os residentes e aos funcionários. Mas mesmo assim, já estamos contribuindo com o incentivo à leitura. 
Eu já fiz abertura de palestras com contação de histórias. Logo que iniciei o trabalho aqui no hospital, me deram essa incumbência, no acolhimento dos residentes. Nós abrimos campo de estágio para o curso de biblioteconomia. No ano passado, tivemos 3 estagiários aqui e acho que teremos mais esse ano. Essa oportunidade é muito boa, para o aluno, pois além da parte técnica eles participam do projeto de contação de histórias.

Infobiblio: Quando você percebeu que tinha o dom para a contação de história?

Isabel Calheiros: Apesar de meus pais não terem contato com a leitura, pois eles tiveram pouca instrução, no que diz respeito as letras, a contação de histórias esteve presente desde sempre na minha vida. Nós morávamos no interior e eu me lembro que na minha infância, à noite, minha mãe sentava-se na sala e contava histórias para mim e meus irmãos. E por meio do curso, fui estagiar na BPE e lá trabalha-se muito a questão da Ação Cultural. Na época a diretora era a Wilma Nóbrega, ela criou aquele espaço infantil, um espaço muito colorido, com muitos livros. Que não era igual ao que tem hoje lá, era bem diferente, mas a Wilma foi uma das pioneiras, pois tinha essa preocupação com o incentivo à leitura para a criança. Foi a partir daí que eu me descobri uma contadora de histórias, pois quando as crianças chegavam lá, era eu que as recebia... Ía contando e me encantando. Lá eu conheci as meninas do Grupo As Carochinha, comecei a fazer parte do grupo juntamente com a Márcia Sarmento Câmara e a Marize Sarmento. Fui me envolvendo com aquele universo todo de fantoche, literatura infantil, encantamentos e fui tomando mais conhecimento, fazendo cursos sobre essa temática, fui incorporando a contadora de histórias, ou melhor, fui trazendo à tona a contadora de histórias que habitava em mim.
   
Inforbiblio: Você tem algum projeto aqui, por exemplo na Pediatria, fazendo contação de histórias que funcionaria como uma Biblioterapia?

Isabel Calheiros: Temos o “Anjos do HUPAA”, que é um grupo de contadores de histórias, formado por servidores e residentes do hospital e alunos dos cursos de nutrição e psicologia da UFAL. Nós inscrevemos esse projeto na Pró-Reitoria de Extensão (Proex) da UFAL. O projeto foi aprovado, mas infelizmente sem direito a bolsa. Então, fica muito difícil conseguir alunos para participarem voluntariamente. Mas, mesmo assim, estamos conseguindo executar o projeto. Durante o ano de 2016, fizemos contação de história às sextas-feiras na pediatria. Nós trabalhamos em parceria com a equipe multidisciplinar da pediatria, eles abraçaram muito bem a causa. 
Agora em 2017, nós começamos a levar esse projeto também para o centro de tratamento oncológico o CACON, às segundas-feiras. Às vezes acontece na recepção e em outras vezes no setor de quimioterapia. Costumamos ir no período da tarde, mesmo por causa do horário de disponibilidade dos estudantes/colaboradores que estão participando. Gostaríamos muito que estudantes de Biblioteconomia se engajassem nesse projeto, até o momento não temos ninguém da área, pois é um campo aberto para a pesquisa em Biblioterapia. 
O mais interessante é que quando você conta história para esse público, você não só fala, você ouve também, ouve muito! É incrível como as histórias são assim capazes de trazer acontecimentos e fatos internalizados, coisas da infância, adolescência, da juventude. Isso é um verdadeiro compartilhamento de emoções. Nesse processo de escuta, eles relembram que já ouviram essas histórias de seus avós, seus pais e até de seus vizinhos quando eram crianças. Acontece de eles relatarem as histórias contadas por nós, mas com a versão que eles aprenderam lá atrás. Esse processo é muito, muito bacana mesmo. 
Depois que acontece a contação, nós fazemos uma espécie de feedback, um questionário para medir a satisfação dos pacientes, para sabermos o que devemos melhorar. Nós pretendemos também relatar essas ações, mesmo porque nós já fizemos algo parecido, com as ações da Pediatria, quando apresentamos um relato de experiência na II Jornada Acadêmica do HUPAA, que aconteceu em 2016.

Inforbiblio: Você também é Facilitadora em Oficinas de Contação de Histórias, conte um pouco sobre essas oficinas.

Isabel Calheiros: Com o “Grupo As Carochinhas”, nós temos uma oficina permanente que ocorre anualmente na Livraria Paulinas. Aqui no hospital nós fizemos uma oficina para os componentes do Grupo Anjos do HUPPA, mas que foi aberto também para quem quisesse participar. Foram 3 módulos independentes e contou com um total de 20 participantes, entre estes alguns alunos de biblioteconomia. Já realizamos oficinas também para Prefeituras, escolas e na Bienal Internacional do Livro.

Inforbiblio: A Secretaria de Estado da Cultura de Alagoas (Secult), esteve participando de um evento aqui, não é mesmo?

Isabel Calheiros: Na verdade foram dois eventos. Por meio do Programa Nacional de Incentivo à Leitura (PROLER), que é subordinado à Secult e coordenado pela Bibliotecária Mira Dantas. No ano passado, veio para cá, a Diretoria de Teatro do Estado de Alagoas (Diteal), com a Exposição Poesia em Foco: Uma visão contemporânea de Maceió - uma exposição audiovisual, com fotos e poesias, feita para homenagear os 200 anos de Maceió. Para a abertura desse evento, contamos com um Recital de Poesias da Confraria Nós Poetas. Contamos também com a participação do Coral Carlos Gomes da Escola Estadual de Cegos Cyro Accioly. Agora em 2017, tivemos a I Jornada Cultural do HUPAA, que aconteceu com uma manhã inteira de atividades culturais e o Coral e a Confraria, participaram novamente. Trouxemos também o grupo de Teatro “Pisa na Fulô" e o grupo contadores de histórias mirim, Trupe Navegante, do Centro de Referência da Assistência Social (CRAS) da cidade de Messias. Esteve presente também a Companhia Literando, a escritora Fátima Maia e a Contadora de Histórias Adriana Chaluppe contaram histórias na pediatria. Vieram também a Cia de Dança Contemporânea Adois, de Carleane Correia e Kronos - eles são maravilhosos dançando. Tivemos ainda a participação do Mestre da Cultura Popular, Dangel Odoro das Alagoas.
As apresentações foram feitas em vários locais do hospital, tipo um cortejo. Foi uma coisa bem diferente, bem bacana. Essa foi a primeira Jornada, espero que possamos fazer mais eventos como esse. Talvez no próximo ano, a expectativa é que seja feita pelo menos uma vez ao ano. Eu senti que as pessoas que vieram para cá, ficaram muito tocadas por participarem dessa Jornada, que foi um sucesso de público. 

Inforbiblio: Em que você acha que a especialização em Recursos Humanos, agregou à sua formação de bibliotecária?

Isabel Calheiros: Na nossa profissão como entre outras, estamos sempre lidando com o ser humano, por meio desse curso eu pude adquirir novas ferramentas, para poder melhor avaliar várias situações, para saber como agir corretamente diante de alguns impasses da vida profissional e até pessoal. Esse curso me deu maior capacitação no trato com as pessoas.

Inforbiblio: Deixe uma mensagem para os nossos leitores.

Isabel Calheiros: Dificuldades sempre passarão pelo nosso caminho, mas o importante é seguir em frente, estar sempre se atualizando, pois, o conhecimento é muito volátil. Procurar fazer uma pós-graduação. Eu vou tentar entrar no mestrado esse ano. Não fiz ainda por várias razões, e a principal delas é que aqui na cidade de Maceió, não existe pós na nossa área, lamentavelmente.
A Bibliotecária Isabel Calheiros faz aniversário hoje 21/06, mas quem ganha o presente é o Inforbiblio. Parabéns, Isabel! Obrigada pela generosidade. Que você continue contando e encantando a todos!