Menu

Pesquisas

FEBAB

Inforbiblio Copyright © 2009 - Toos os Direitos Reservados. Imagens de tema por MichaelJay. Tecnologia do Blogger.

Home Ads

Tags

Advertisement

Popular Posts

Instagram

05 outubro 2017

Monick Gomes


Franciane Monick Gomes de França é Bibliotecária do Instituto Federal de Alagoas (IFAL) desde o ano de 2012, graduada em Biblioteconomia pela Universidade Federal de Alagoas (UFAL) e especialista em Biblioteconomia pelas Faculdades Integradas de Jacarepaguá (FIJ). Áreas de Interesse: Literatura, leitura, história das bibliotecas, literatura erótica, ética bibliotecária, censura a livros e preservação/restauração de livros. Alguns dos assuntos foram discutidos em seu Trabalho de Conclusão de Curso e Monografia de pós-graduação. Colaboradora do Projeto “Unidos, leremos! ”



Inforbiblio – Como surgiu o Projeto "Unidos, leremos!"?
Monick – Foi em 2012. Minha amiga Vanessa Oliveira, da área de Comunicação, entrou em contato comigo e com outra amiga nossa da área de Letras, Analice Leandro. A Vanessa tinha uma locadora de livros, que não deu muito certo. Ela acabou encerrando as atividades dessa locadora, mas queria que os livros circulassem e nos pediu ideias e ações para pôr em prática essa circulação. Então ocorreu-nos a ideia da feira de troca de livros. Outras ações também foram testadas, como deixar livros em praças e também a troca direta entre leitores, passando livros de um para o outro, e assim o livro iria circulando.
Essas últimas ações não deram muito certo, mas a feira permanece até hoje. Já houve transição de pessoas no projeto. As duas amigas que iniciaram comigo, estavam sem tempo para se dedicarem, então outra amiga, Jéssica Gonçalves deu continuidade comigo e nós montamos a feira em eventos dos quais somos convidadas.

Inforbiblio – Como vocês chegaram a um consenso em relação ao nome “Unidos, leremos!"?
Monick – Pois é, eu lembro que tivemos algumas discussões sobre como seria o nome, mas sinceramente não me lembro, porque como eu disse, isso aconteceu em 2012. Acho que foi a Vanessa mesmo quem escolheu, em uma das reuniões que fizemos.
Inforbiblio – A feira tem sido gratificante, as pessoas realmente comparecem para trocarem seus livros?
Monick – Depende muito do evento para o qual a gente leva a feira, porque dependemos muitos das pessoas que frequentam. Por exemplo, quando o evento é menor e/ou foi pouco divulgado, o resultado não é muito satisfatório. Quando começamos em 2012, o primeiro evento foi uma experiência muito legal, aconteceu lá no Posto 7, na orla de Maceió. Foi um evento muito interessante, pois tinha uma variedade de coisas, não só a nossa feira de troca de livros. Tinha venda de bijuterias, venda de CDs e Vinis, tinha até um sebo também, então a circulação de pessoas naquele espaço era muito grande. Foi assim durante um mês, todos os sábados, se não me engano. Então quem passava e estava sem livro para realizar a troca, confirmava que voltaria na outra semana.
Eu já organizei a feira aqui no Instituto Federal de Alagoas (IFAL) e apesar de eu ter divulgado muito, aconteceu de alguns alunos esquecerem do dia do evento e não levaram seus livros para trocar, mas isso não impediu que eles tivessem a curiosidade de visitar e manusear e ler as obras. Nós sempre os deixamos bem à vontade quanto a isso. Então de qualquer forma, foi muito boa também.
Participamos também de um evento da Prefeitura aqui de Maceió, que acontecia na Praça do Centenário e lá a frequência foi um pouco maior. É interessante porque existem aquelas pessoas que entram em contato com o projeto pela primeira vez e depois já fica acompanhando pelo Facebook, já curtem a fanpage.
Ultimamente temos realizado a feira com menos frequência, pois como eu frisei antes, as meninas andam meio ocupadas. Então fica para mim o compromisso de deslocar o material até o local do evento. Eu também tenho minha ocupação, sem falar na minha limitação, pois não possuo carro. Isso complica um pouco.
Inforbiblio – Qual é o tipo de público a qual o projeto “Unidos, leremos!" atende?
Monick – Só não atendemos ao público infantil/infanto-juvenil; pelo menos não por enquanto.
Inforbiblio – Você está procurando parceria para que esse projeto de incentivo à leitura tenha continuidade?
Monick – Então, eu estou em negociação com a idealizadora do projeto de uma “feirinha cool” Do lado de cá,que é realizado lá no Centro Cultural Art Pajuçara. Já aconteceram três edições desse evento e a quarta será na VIII Bienal do Livro de Alagoas. Acontece assim: ela monta barraquinhas de vendas. São coisas variadas, tem cactos, estatuetas de Buda, bijuterias. Ela leva também o Minimalista Brechó para essa feirinha. Além disso, ela tem um baú de troca de livros. A ideia é a seguinte, como eu tenho um volume maior de livros que ela, eu vou ceder uma parte para que ela possa levar para trocar na feirinha. Mas, ainda não batemos o martelo, falta acertamos os detalhes, ainda não temos nenhum evento programado.
Outra parceria que eu acabei de formar, foi com a Cooperativa de Trabalho Nacional dos Bibliotecários e Profissionais da Informação (Bibliocoop). A Assessora de Mídias, Rose Marques que organiza a Feira de Troca de Livros - Coopera & Troca, me sondou sobre a possibilidade de juntarmos o nosso acervo em eventos organizados por terceiros e eu aceitei.
Inforbiblio – Fale da sua experiência como Bibliotecária-Coordenadora do IFAL.
Monick – Foi a minha primeira experiência, sou concursada desde 2012. Fui aprovada em 2º lugar, entre as 3 vagas ofertadas. Claro que as experiências anteriores como estágio me deram muita base, não tem como negar. Mas assim, você chegar de início e encarar uma grande responsabilidade é um choque, porque eu assumi o cargo de Coordenadora da Biblioteca do Campus de Palmeira dos Índios, não tinha ninguém naquele momento que pudesse me dar um suporte, mesmo porque eu era a única bibliotecária ali no local. A bibliotecária anterior encontrou uma vez comigo e me passou algumas coisas, mas é diferente de se ter um acompanhamento diário. Confesso que eu fiquei um pouco desesperada em ter que dar conta de procedimentos que nunca tivera contato antes.
Imagine a situação na qual eu me encontrei, a biblioteca estava sem o profissional há 2 anos, porque a bibliotecária anterior havia saído para fazer mestrado. Então a minha responsabilidade foi ainda maior. O Campus lá de Palmeiras era ótimo, as pessoas eram muito legais. Nós formamos um grupo com os bibliotecários novatos e os veteranos e daí nós nos reuníamos para tirar dúvidas, discutir questões e aí o grupo foi crescendo e eu fui me inserindo melhor, fui me desenvolvendo.... Não há nada como o tempo! Você vai adquirindo experiência e tudo fica mais tranquilo.
Depois de um ano surgiu a vaga para o Campus de Maceió. Na lista de posse, eu era a primeira, pois os bibliotecários mais antigos não tinham o interesse de sair dos seus atuais polos. Eu gosto bastante daqui, mesmo porque eu tenho um carinho enorme pelo IFAL, pois eu já fui aluna aqui do Campus. E a experiência aqui foi completamente diferente, aqui eu tive o apoio de duas profissionais muito experientes, então foi muito legal poder contar com elas. E há uma diferença gritante de dimensão entre o Campus de Palmeira e o daqui de Maceió, pois o primeiro fica localizado no interior de Alagoas, é bem menor. Na capital o número de profissionais é maior, o número de atividades que você pode desenvolver é mais expansivo, o acervo é maior, enfim, é outra perspectiva, tem-se outra visão. Contudo, atualmente, não sou mais coordenadora daqui.
Inforbiblio – Na sua visão, como se encontram os Institutos Federais, depois desse governo ilegítimo?
Monick – Uma calamidade, não só os institutos, mas as universidades também estão aí ao ponto de encerrar suas atividades. Está muito complicado, as verbas foram muito reduzidas, foram cortadas, 20% daqui, 20% dali, então isso influencia total e diretamente no processo de aquisição de equipamentos de infraestrutura, contratação de pessoal também, nós tínhamos um contrato de terceirização e foi cortado, enfim, isso implica no bom funcionamento da instituição, pois o número de servidores existente é muito pequeno para dar conta. Então a demanda aumenta muito e fica difícil lidar com isso. Você não consegue trabalhar bem, não consegue desenvolver as atividades que lhe são inerentes, então eatá pesando bastante. Como se não bastasse a velha burocracia existente, com esses cortes fica infinitamente difícil. O setor da biblioteca está sendo bastante penalizado, assim como os outros setores.
Inforbiblio – Você tem um estilo bem diferente (heavy metal) da maioria das bibliotecárias, tem tatuagens, cabelo colorido, piercing - isso de alguma forma atrapalhou você no ambiente de trabalho?
Monick – Eu nunca senti nenhum tipo de preconceito - com relação a isso não, por incrível que pareça, felizmente as pessoas por aqui tem a mente aberta - mas já senti o preconceito das pessoas de outros setores em relação a idade que eu aparento ter para elas; pensavam que eu era estagiária ou algo do tipo, mesmo porque ainda existe aquele estereótipo de que uma bibliotecária necessariamente teria que ser uma senhora mais velha com coque e óculos e que pede silêncio aos usuários, aquele padrão de profissional caricato, né? Apesar de também usar óculos, não me encaixo nesse paradigma... (risos). Mas isso foi só no começo mesmo, depois que eu fui me envolvendo com os setores e com as pessoas que trabalham neles e depois que eu assumi a coordenação também as coisas foram se encaminhando.
Inforbiblio – Nesses seus cinco anos de experiência, você acha que o mercado de trabalho mudou, você acha que estão se abrindo mais portas?
Monick – Boa pergunta! Olha só, eu posso até estar enganada, pois eu logo depois de formada me tornei servidora pública, então não passei por percalços na busca por emprego. Claro que cabe a nós todos da área, Cooperativa, Associação e Sindicato, realizarem a mudança, dar visibilidade ao profissional. Tiro como exemplo aqui o IFAL, mesmo existindo três bibliotecárias no setor temos que estar mostrando o que é de nossa competência e o que não cabe a nós executar, e creio que algumas situações ainda mais delicadas acontecem nos polos dos interiores., mas eu sinto que as empresas estão valorizando mais a figura do Bibliotecário, pelo menos no setor privado, os empresários estão sabendo valorizar mais esse profissional e entendendo a importância dele para a empresa. Eu tenho essa impressão, que os contratantes estão abrindo mais a mente para a necessidade do profissional formado em biblioteconomia, pelos conhecimentos que nós adquirimos na graduação. É o que eu sinto, pelo menos da época que eu me formei para cá, vejo que já melhorou um pouco. Sinto bastante essa mudança não ter ocorrido também na esfera pública, porque as bibliotecas escolares ainda continuam negligenciadas, mesmo depois da Lei nº 12.244, que ainda não está sendo cumprida.
Inforbiblio – Quais seus planos futuros na área?

Monick – Vou fazer mestrado, já está mais do que na hora. Embora meu foco não seja propriamente lecionar, é possível que durante o mestrado isso se altere, mas eu penso mesmo é em desenvolver atividades didáticas nas escolas, tipo, eu estou desenvolvendo agora o projeto de levar alunos do IFAL aos museus; está sendo bem legal, mas ainda é um grupo pequeno, pois esse projeto é recente. Eu ainda não sabia bem se ia alavancar, como ocorreriam as coisas e tal. Então foram os alunos de Turismo que tiveram o interesse em participar, daí isso me despertou o interesse de fazer um trabalho mais voltado para eles, de horas complementares, porque não há, por exemplo, nenhuma disciplina de Turismo Cultural, pois é muito importante que eles tenham contato com os equipamentos culturais, não só os museus, mas arquivo e biblioteca pública.
Então o mestrado auxilia enquanto título, quer queira ou não, o título é tudo, né? Você pode ser boa o bastante no que faz, mas se não possui um título maior que a graduação, as pessoas visam muito isso. Você acaba sendo preterida em muitos momentos e principalmente dentro da área em que você atua. Mas também eu faço isso por mim, eu realmente quero me sentir mais qualificada na minha atuação. Eu ainda não sei se depois do mestrado eu darei continuidade e farei doutorado.
Inforbiblio – Você poderia nos contar onde fará seu mestrado, porque aqui infelizmente não temos nenhuma especialização, nos foi tirado a única chance que tínhamos de sermos especialistas em arquivo – um grande retrocesso, pois o mercado está cada vez mais necessitado de profissionais para atuar em arquivos, o campo na área de arquivo está se desenvolvendo muito. Agora diante disso, imagine a possibilidade de ser mestre nesse contexto - é quase uma utopia, isso é lamentável.
Monick – Pois é, abriram uma turma recentemente, mas só para servidores, um tanto estranho isso. Infelizmente não aconteceu por falta de coro, né? Então estamos aqui, “a ver navios”. Eu pretendo fazer na Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), escolinha do coração de todos os bibliotecários... (risos) porque tem Ciência da Informação, que é linda - assim, fantástica - desde o prédio às discussões que ocorrem na área.
"Por que lá?", você deve estar se perguntando... A UFMG foi a minha escolha por vários motivos, pela cidade de Belo Horizonte, pela própria instituição que fala por si só, como também pela minha área de interesse, pelo que eu quero debater, porque desde o final da minha graduação eu já tinha ideia do que eu queria fazer no mestrado, então eu tinha que encontrar uma universidade que tivesse uma linha adequada e tal, que tivesse professores que já desenvolvessem de uma forma aquilo que eu busco.
Inforbiblio – E qual é a sua linha de pesquisa?
Monick – É sobre a censura na literatura, é a mesma linha que eu desenvolvi em meu Trabalho de Conclusão de Curso (TCC). Só que no mestrado eu vou focalizar o período histórico da ditadura na Biblioteca Nacional (BN), especificamente como se deu essa censura, qual foi o tratamento dado ao material censurado, pois existem muitos trabalhos acadêmicos, mas nenhum cita isso. É importante saber o destino que se deu a essas obras censuradas, se foram incineradas, se desapareceram, enfim, a perda desses conteúdos literários. Saber o perfil do bibliotecário da época, como eles lidaram com esse acontecimento. Também vou abordar a questão do patrimônio, do depósito legal, vou trazer à tona todas essas discussões sobre a BN, enquanto patrimônio literário. Então lá na UFMG, existem professores que trabalham com esses temas da censura e ditadura.
Creio eu que será uma pesquisa nova, original, pois pelo muito que eu pesquisei desde a minha graduação, nunca encontrei nada que juntasse a Biblioteca Nacional e a censura na época da ditadura, pelo menos não parecido com essas discussões, não por esse prisma, entende? Para dizer que eu não encontrei nada, eu recuperei um artigo que falava sobre a seção onde os livros proibidos ficavam localizados, conhecida como “Inferno” - como é conhecido também em outras bibliotecas espalhadas pelo mundo, tipo na França; na Inglaterra também tem essa seção, mas com outro título. Quer dizer, isso era meio comum de ser feito, mas não há nenhuma pesquisa que aprofunde de fato como isso se desenvolveu, o que foi perdido, o que foi recuperado e como foi a atuação dos profissionais. Daí eu vou debater isso com questionários, pesquisa de campo, entrevistas, enfim.
Inforbiblio – Já que estamos falando de censura, qual a sua opinião sobre a censura à Exposição Queermuseu?
Monick – Eu acho absurda, claro! Qualquer intervenção em arte eu acho absurda, sabe? Assim, é aquela coisa, são grupos que querem intervir em algo maior, eu entendo dessa forma. A literatura, arte, a música, têm que ter liberdade de expressão. Isso entra também naquela questão do politicamente correto, eu tenho uma mente e ideias abertas para muita coisa, então se eu for discutir tudo que eu concordo, vou acabar sendo apedrejada pelos hipócritas de plantão.
Eu estava assistindo a uma entrevista do Porchat, perguntaram a ele sobre o politicamente correto e ele falou assim... “Na verdade você tem que escolher onde a cacetada vai ser menor, porque você vai sempre incomodar alguém”. E é mais ou menos isso, não tem como você não incomodar ninguém em nada. Você sempre vai incomodar alguém, seja na literatura, seja na arte, pintura, música, qualquer tipo de expressão, né? Até no seu jeito de ser, você vai incomodar alguém. O que as pessoas têm que entender é que você tem que aceitar, se aquilo não interfere diretamente em você, se você tem a opção de escolher, por exemplo: daquilo eu não gosto, aquilo eu não vejo, então eu não vou a determinada exposição. As pessoas precisam cultivar uma mente mais aberta, pois se toda vez que você não concordar com algo e você exigir que aquilo deixe de existir, não vai existir mais nada no mundo, porque sempre vai existir alguma coisa que alguém que não vai gostar.
Então eu achei aquela interdição totalmente absurda, na época de hoje, século 21, uma invasão, uma intervenção totalmente desnecessária. Como eu frisei antes, não concorda? Não compareça, não visite! Avise aos seus fiéis, se for o caso, para não assistir, não visitar, algo assim.
Inforbiblio – Você tem algum desabafo para fazer e/ou quer deixar alguma mensagem para os seguidores do Inforbiblio?
Monick – Eu estava preenchendo ao questionário da International Federation of Library Associations and Institutions (IFLA) – Federação Internacional de Associações e Instituições Bibliotecárias, que discutia sobre o que precisava ser feito para tornar as bibliotecas mais acessíveis ou o que precisava melhorar na própria biblioteconomia. Tratava sobre a comunidade saber da existência do profissional, do bibliotecário mostrar a cara, fazer mais palestras, eventos, mostrar qual é a sua qualificação, quais são as suas atividades inerentes.
Então, eu percebi que desde que me tornei uma profissional, eu tenho sentido essa dificuldade da sociedade em perceber que o bibliotecário é tão capacitado enquanto profissional, quanto é o psicólogo, o pedagogo, porque em muitas situações nós somos renegados de alguma forma, sabe?
Numa situação que ocorreu recentemente, envolvendo a Educação a Distância (EAD) - pois aqui é um polo presencial para os alunos dessa modalidade - nós bibliotecários do IFAL questionamos que alguns cargos administrativos são pagos e na nossa atividade não constava remuneração, era para desenvolvemos tais atividades sem haver pagamento. Abriram outra seleção para cargos técnicos, dentre eles pedagogo e assistente de alunos e de novo não constava o bibliotecário. Nós precisamos de uma justificativa do porquê um profissional X tem uma bolsa para desenvolver suas atividades e nós não temos, assim como outros cargos que possivelmente serão utilizados no decorres do desenvolvimento das atividades. E não nos foi dada essa justificativa ainda. Estamos em processo de discussões e reuniões para ver essa situação. Mas isso é só um exemplo da situação, aqui na instituição como nosso grupo agora está bem maior, nós nos reunimos mais, já conseguimos chamar mais a atenção para a profissão.
Inforbiblio – Você acha que isso se deve à falta de conhecimento dos outros profissionais e das pessoas em relação aos bibliotecários?
Monick – Eu concordo com a falta de conhecimento sim, essa é a primeira questão que eu quero levantar, mesmo porque aqui em Alagoas, o curso ainda é relativamente novo. Quando algumas pessoas me perguntam o que eu faço na biblioteca e eu respondo que sou formada, elas reagem com a seguinte frase: “Ah, e existe formação para isso?"
E a segunda questão é em relação aos próprios bibliotecários. Eu vejo muito pouco desbravamento e isso acontece muito próximo a mim, pessoas com quem convivi em várias situações. Tem que mostrar a cara, tem que exigir o que é de direito e o que também não faz parte da nossa ossada.
Quando passam para outros ações e atividades que lhe competem, você tem que ir lá e dizer: isso cabe a mim! Você tem que lutar, brigar e exigir. E eu vejo isso um pouco defeituoso, com relação aos profissionais. Vejo muitos sendo permissivos demais, de aceitar sem tentar mudar o quadro. O profissional tem que saber se impor.

Nenhum comentário:
Write comentários

Receba Conteúdo Atualizado