Menu

Pesquisas

FEBAB

Arquivo do blog

Inforbiblio Copyright © 2009 - Toos os Direitos Reservados. Imagens de tema por MichaelJay. Tecnologia do Blogger.

Destaque

Mestre em Ciência da Informação - PCD

O bibliotecário Igor Peixoto Torres Girão, tornar-se o primeiro mestre em Ciência da Informação com múltiplas deficiências do Norte e Nor...

Visitantes

Arquivo do blog

Siga por e-mail

Postagens mais visitadas

Gestora do Inforbiblio

VeeThemes

Rose Marques

Bibliotecária formada pela Universidade Federal de Alagoas (UFAL). Atualmente trabalha com Gestão de Arquivos. Entusiasta das redes sociais e TI. Blogueira desde 2008 e apaixonada por design de interiores, adora jogar The Sims 4. Fã de cinema e séries. Curte MPB dos anos 80 e música romântica. Também ama ler e sonha em criar um lugar que seja um misto de biblioteca com livraria, ou algo do tipo..

Instagram

Facebook

30 setembro 2009

Palestra da Professora Dalgisa Andrade

A formação e a prática do Bibliotecário: um profissional da 
informação

Profa. Msc. Dalgiza Andrade Oliveira
Curso de Biblioteconomia da UFAL

BIBLIOooooquê?

Quero ser um bibliotecário (a)???
Biblioteconomia:
É a ciência que estuda os aspectos do uso e da
disseminação da informação por meio de serviços e produtos
informacionais. Dentre alguns aspectos referentes à sua
prática, destacam-se:
  • Análise;
  • Planejamento;
  • Implementação;
  • Organização;
  • Administração.
Atividades que podem ser desempenhadas em espaços
como: bibliotecas, centros de documentação, serviços,
sistemas e centros de informação além de ambientes virtuais.

Bibliotecário :

Disponibilizam informação em qualquer suporte; gerenciam unidades como bibliotecas, centros de documentação, centros de informação e correlatos, além de redes e sistemas de informação. Tratam tecnicamente e desenvolvem recursos informacionais; disseminam informação com o objetivo de facilitar o acesso e geração do conhecimento; desenvolvem estudos e pesquisas; realizam difusão cultural; desenvolvem ações educativas. Podem prestar serviços de assessoria e consultoria. (CBO, 2009).


Reflexão
As carreiras ou profissões são tipos de atividade humana, de que, pelo visto, a sociedade necessita. E, um deles, há cerca de dois séculos é o do bibliotecário. (ORTEGA Y GASSET, 2006).
Histórico:

Como atividade prática, advém da transmissão de conhecimento por meio da oralidade/invenção da escrita; Como campo científico, a contar do século XIX;
Como uma profissão situada no campo informacional, a partir da segunda guerra mundial.

Expectativas em relação aos egressos:

Atuar crítica, criativa e eficientemente na identificação de demandas por informações de qualquer natureza e nível de complexidade, propondo soluções que conduzam à conscientização do seu valor na sociedade.
Realizar o processamento de informações de qualquer natureza e em diferentes documentos e suportes de registro, mediante a aplicação de conhecimentos teórico-práticos de coleta, tratamento e difusão, apoiado nas tecnologias disponíveis.


gerenciar serviços e recursos informacionais, através das ações de planejamento, organização, administração e assessoria e de prestação de serviços em redes e sistemas de informação.
monitorar e apoiar o desenvolvimento social e os avanços científicos e tecnológicos, através de ações culturais e domínio da metodologia de pesquisas relacionadas ao uso e ao comportamento da informação.


Habilidades gerais projetadas:

gerar produtos a partir dos conhecimentos adquiridos e divulgá-los;
formular e executar políticas institucionais;
elaborar, coordenar, executar e avaliar planos, programas e projetos;
utilizar racionalmente os recursos disponíveis;
desenvolver e utilizar novas tecnologias;


traduzir as necessidades de indivíduos, grupos e comunidades nas respectivas áreas de atuação;
desenvolver atividades profissionais autônomas, de modo a orientar, dirigir, assessorar, prestar consultoria, realizar perícias e emitir laudos técnicos e pareceres;
responder as demandas sociais por informação produzida pelas transformações tecnológicas que caracterizam o mundo contemporâneo

Habilidades específicas projetadas:

interagir e agregar valor aos processos de geração, transferência e uso da informação, em todo e qualquer ambiente;
trabalhar com fontes de informação de qualquer natureza;
qcriticar, investigar, propor, planejar, executar e avaliar recursos e produtos de informação;
processar a informação registrada em diferentes tipos de suportes, mediante a aplicação de conhecimentos teóricos e práticos de coleta, processamento, armazenamento e difusão da informação;
realizar pesquisas relativas a produtos, processamento, transferência e uso da informação.

O contexto da informação

dar forma, colocar em forma, criar representar, construir uma idéia.
conhecimento registrado sob as mais diversas formas (escrita, oral, gestual, audiovisual e digital) mediante linguagens articuladas (símbolos alfabéticos, numéricos e alfanuméricos.
produto de uma prática social que envolve ações de representação de sentidos (emissão de mensagens) e de atribuição de sentidos (recepção, compreensão e assimilação de mensagens recebidas).
representar, comunicar e atribuir sentidos, tendo em vista o conhecimento

Direito à informação:
todo indivíduo tem direito à liberdade de opinião e de expressão, o que implica no direito de não ser censurado pelas suas opiniões, e o de procurar, receber, sem considerações de fronteiras, as informações e as idéias, por qualquer meio de comunicação (Art. 19 da Declaração Universal dos Direitos Humanas. ONU, 1948).

A realidade do estado de Alagoas
Área (km²)
27.767,661Número de Municípios
102População Estimada 2005
3.015.912 Fonte: Governo do Estado de Alagoas

A realidade social de Alagoas e o compromisso da UFAL

A presença da Universidade Federal de Alagoas - UFAL no território alagoano, por meio de suas atividades de ensino, pesquisa, extensão e assistência, representa importante vetor de desenvolvimento de Alagoas, sobretudo por se tratar de um dos Estados que apresenta maiores indicadores de desigualdades do Brasil. Mas, ao mesmo tempo, significa enfrentar enorme desafio para exercer plenamente a sua missão social neste contexto periférico, de grandes limitações e precariedades. Este cenário é evidenciado por indicadores sociais e econômicos preocupantes, como exemplificam alguns deles apresentados a seguir:


Indicadores

Índice de Desenvolvimento Humano – IDH: 0,677 (IPEA, 2005) – o pior do Brasil;
Renda per capita: US$ 2.332,10 (IBGE-BACEN, 2006);
Miserabilidade: 47% da população sobrevivem com renda abaixo de R$ 88,00 por pessoa. (FGV, Mapa do Fim da Fome em Alagoas, 2003); 48% da população recebe o Bolsa-família;
Estado com maior proporção de pobres do Brasil: 62% (IPEA, 2004);

Concentração de renda (Gini = 0,571), a maior do Brasil;
Acesso à água encanada: 48,80%: (SNIS/CASAL, 2006) a segunda menor do país;
Coleta e tratamento de esgoto: 30,5%, (PNAD, 2005);
Trabalho infantil não remunerado: 71,9% do total de crianças em trabalho, de 5 a 17 anos; (IBGE-PNAD, 2001);
Analfabetismo: 25,20% (PNAD, 2008).

Reflexões
Entretanto, trata-se de um dos menores Estados brasileiros - com 27.818,5 km2 e 3.037.103 habitantes estimativa (IBGE, 2008) – fato que poderia beneficiá-lo, por sua menor escala física de problemas. Além disso, apresenta grandes potencialidades naturais (patrimônio ambiental), sociais (diversidade, patrimônio cultural, população cordial e trabalhadora) e econômicas (recursos naturais, agroindústrias, razoável infra-estrutura física).
São potencialidades pouco ou inadequadamente exploradas, revelando um quadro persistente de exclusão social, econômica e política, marcado, especialmente, pelo baixo grau de escolaridade e baixa qualificação profissional dos seus habitantes, o que reforça a falta de oportunidades para a maioria e ressalta o papel da educação como estratégia de mudança. (RELATÓRIO, 2008)

E os Bibliotecários (as)?
Mediadores da informação
Agentes possibilitadores de transformações sociais
Papel pedagógico
Função social por meio de sua ação profissional
Responsabilidade comunitária e social



18 junho 2009

Cinemateca Brasileira



A Cinemateca Brasileira surgiu a partir da criação do Clube de Cinema de São Paulo, em 1940. Seus fundadores eram jovens estudantes do curso de Filosofia da USP, entre eles, Paulo Emilio Salles Gomes, Decio de Almeida Prado e Antonio Candido de Mello e Souza.
O Clube foi fechado pela polícia do Estado Novo. Após várias tentativas de se organizarem cineclubes, foi inaugurado, em 1946, o segundo Clube de Cinema de São Paulo. Seu acervo de filmes constituiu a Filmoteca do Museu de Arte Moderna (MAM), que viria a se tornar uma das primeiras instituições de arquivos de filmes a se filiar à FIAF - Fédération Internationale des Archives du Film (www.fiafnet.org), em 1948. Em 1984, a Cinemateca foi incorporada ao governo federal como um órgão do então Ministério de Educação e Cultura (MEC) e hoje está ligada à Secretaria do Audiovisual.
A mudança da sede para o espaço do antigo Matadouro Municipal, cedido pela Prefeitura da cidade, ocorreu a partir de 1992. Seus edifícios históricos, inaugurados no século XIX, foram tombados pelo Condephaat – Conselho de Defesa do Patrimônio Histórico, Artístico, Arqueológico e Turístico do Estado de São Paulo, e restaurados pela entidade.

Texto extraído do site da Instituição: http://www.cinemateca.com.br/

Disseminado por Rose Marques

15 maio 2009

Santander & Universia

Santander Universidades e Universia apresentam a 5ª edição dos Prêmios Santander de Empreendedorismo e de Ciência e Inovação na UFAL


A Universidade Federal de Alagoas (UFAL) e o Santander Universidades ampliarão sua parceria nesta sexta-feira, dia 15. É que nesta data representantes do Santander Universidades e do Universia Brasil visitam a Reitora, pró-reitores de graduação e de pesquisa e responsáveis pelos centros de empreendedorismo e pesquisa da UFAL, com o objetivo de divulgar as novidades da 5ª edição dos Prêmios Santander de Empreendedorismo e de Ciência e Inovação, que premiarão com R$ 50 mil os melhores projetos em diversas categorias. As inscrições estão abertas e vão até 23 de agosto. Além disso, o Santander inaugura neste dia um Espaço Digital Santander Universidades na universidade, iniciativa que tem o objetivo de facilitar o acesso de estudantes, professores e demais funcionários da instituição ao mundo digital.
Além de disseminar o uso da tecnologia, as salas poderão ser usadas para as disciplinas regulares da universidade, pois oferece toda a infraestrutura laboratorial de informática, com 15 computadores, além de impressoras, scanners e outros equipamentos.

Texto extraído da página da UFAL: www.ufal.edu.br

12 março 2009

Os Biblios Mandamentos



OS DEZ BIBLIOS MANDAMENTOS:


1- Amarás tua profissão sobre todas as outras

2- Amarás ao usuário como a ti mesmo

3- Não classificarás o livro pela capa

4- Não serás egoísta, e emprestarás também periódicos

5- Perdoarás aquele usuário que não sabe   do que necessita

6-Não confundirás cordialidade com bom atendimento

7- Atenderás bem, e serás recompensado

8- Serás ético e responsável

9- Serás atento ao serviço de referência

10- Serás disseminador da informação para todo o sempre... 

Em nome de Paul, La Fontaine e Ranganathan, amém!







10 março 2009

Liinc em Revista

Chamada para artigos para a Liinc em Revista

A Liinc em Revista está recebendo artigos até o dia 30 de maio de 2009 para a publicação no volume 5, número 2, de setembro/2009. Este número terá um dossiê temático, coordenado por Giuseppe Cocco e Gilvan Vilarim (UFRJ/ESS) sobre o Capitalismo Cognitivo. Outros temas do escopo da revista serão também considerados. O Laboratório Interdisciplinar sobre Informação e Conhecimento (Liinc) é um espaço interinstitucional e multidisciplinar, coordenado em parceria entre a UFRJ e o IBICT , voltado para a reflexão crítica sobre informação, conhecimento e desenvolvimento, ante as transformações no mundo contemporâneo.
Os artigos devem ser enviados até 30 de maio, pelo endereço http://www.ibict.br/liinc.

09 março 2009

Notícias via OFAJ


BARCELONA DEVE GANHAR BIBLIOTECA DE LIVROS GAYS EM 2010


A cidade de Barcelona deve ganhar uma biblioteca que terá títulos com temáticas gays em 2010. De acordo com o canal Mix Brasil, que entrevistou o vereador espanhol Joaquim Mestre, a iniciativa atende a uma antiga demanda do público LGBT e servirá para impulsionar a visibilidade e as políticas públicas relacionadas a essa comunidade.

(Fonte: Boletim PNLL - Edição nº 143 - 16 a 22/02/2008)

XXIII CBBD 2009 (Congresso Brasileiro de Biblioteconomia, documentação e Ciência da Informação.
No período de 05 a 08 de julho de 2009 acontecerá o XXIII Congresso Brasileiro de Biblioteconomia, Documentação e Ciência da Informação – CBBD, na cidade de Bonito, Mato Grosso do Sul, promovido pela Federação Brasileira de Associações de Bibliotecários, Cientistas da Informação e Instituições – FEBAB conjuntamente com a Associação dos Bibliotecários de Bibliotecários de Mato Grosso do Sul - APB/MS, e tem como Tema Geral “Redes de conhecimento, acesso à informação e gestão sustentável”.
O CBBD é promovido desde 1956 pela FEBAB, em parceria com associações filiadas, sendo um evento consolidado no cenário nacional, e constituindo-se num espaço privilegiado para a apresentação de experiências, práticas e difusão da produção técnico-científica relativa a bibliotecas, unidades de informação, ensino e pesquisa e também propiciando oportunidades para o congraçamento e atualização dos profissionais da área.
Dentro da programação do XXIII edição do CBBD em 2009 estarão sendo comemorados os 50 anos da FEBAB e os 30 anos da APB/MS. Este CBBD apresenta uma proposta inovadora e pela primeira vez o evento acontecerá em uma pequena cidade do interior do País apresentando de forma experimental, inovações no seu formato.
Espera-se assim, proporcionar aos congressistas, além de todas as temáticas de alta relevância para os profissionais da informação no contexto da sociedade da informação, a possibilidade de um tempo maior para a socialização, a convivência e o estreitamento das relações entre seus pares, inspirados e envolvidos pela beleza e exuberância da natureza que os cercará durante estes dias. Contamos com a participação de todos os profissionais e organizações envolvidas com a questão da informação e conhecimento na sociedade contemporânea. Desejamos a todos um ótimo Congresso!

Eunice Lourdes Franco
Presidente da APB/MS
Sigrid Karin Weiss Dutra
Presidente da FEBAB
Link: http://www.febab.org.br/XXIII_CBBD/xxiii_cbbd_abertura.htm


ACESSO ABERTO AUMENTA CITAÇÕES [05/03/2009]

Estudo publicado na Science destaca importância de publicar artigos científicos em veículos abertos para estimular a "participação global na ciência" Publicar artigos científicos em serviços de acesso livre e gratuito aumenta a quantidade de citações que os autores recebem. O aumento não é tão grande como se achava, mas ainda assim é significativo, particularmente nos países em desenvolvimento. "A influência do acesso aberto (open access) é mais modesta do que foi estimado anteriormente. [O aumento] Está em torno de 8% para pesquisas publicadas recentemente, mas está clara a sua capacidade de ampliar o círculo global daqueles que podem participar e se beneficiar da ciência", destacaram os autores em artigo publicado nesta sexta-feira (20/2) na revista Science. James Evans e Jacob Reimer, da Universidade de Chicago, usaram dados dos índices de bases da Thomson ISI, incluindo artigos e citações associadas dos 8.253 periódicos científicos mais citados desde 1945. Os dados foram comparados com a disponibilidade dos periódicos conforme a serviço Information Today.
No total, os pesquisadores analisaram dados de cerca de 26 milhões de artigos, dos quais 88% foram publicados em inglês. Os 77% de artigos que continham informação a respeito das instituições às quais os autores estão ligados tiveram seus dados confrontados com informações econômicas dos países, obtidos do Banco Mundial e de agências da Organização das Nações Unidas. Os resultados indicaram que a influência da publicação em acesso aberto foi mais do que duas vezes maior nos países em desenvolvimento em comparação com os mais ricos. Nas nações mais pobres a tendência não ocorreu, segundo os autores, devido à precariedade do acesso à internet. O artigo Open access and global participation in science, de James Evans e Jacob Reimer, pode ser lido  por assinantes da Science em http://www.sciencemag.org.

(Agência Fapesp, 20/2)
(Fonte: JC e-mail 3707, de 20 de Fevereiro de 2009) (Divulgado por Miguel Angel Arellano – enviado para “bib_virtual” em, 20/02/2009)
(Retirado do site: www.ofaj.com.br e disseminado por Rose Marques)

Domínio Público

Pra quem gosta de música brasileira erudita e só entrar no site do Domínio Público

O site é do Ministério da Educação, é uma biblioteca digital que por falta de acesso está prestes a ser desativada. Lá você também encontra além das músicas, as obras de Machado de Assis, acessa o material da TV Escola, pode ver as pinturas de Da Vinci, tem acesso a 732 obras da literatura portuguesa, entre outros assuntos.

Então pessoal, vamos fazer nossa parte, divulguem e acessem para que nossa cultura não se perca!!!

1ª lei do bibliotecário por Rose Marques:
- É de responsabilidade do bibliotecário primeiramente disseminar a informação, fazendo uso desta com sabedoria!!!

Quem sabe na próxima postagem aparece a 2ª lei.
Até a próxima, um abraço!

06 março 2009

Paul Otlet


Paul Otlet: um pioneiro da organizaçãodas redes mundiais de tratamento e
difusão da informação registrada

A documentação nasceu de um movimento surgido no final do século XIX e início do século XX, na Europa, com o objetivo de encontrar alternativas para organizar a massa crescente de documentos produzidos no período. Esse movimento, que envolveu cientistas, pesquisadores, bibliotecários e bibliógrafos, ficou conhecido como Movimento Bibliográfico. A intenção de Paul Otlet, ao participar do Movimento Bibliográfico, era dar à documentação um caráter científico. Suas propostas estão expostas no Traité de Documentation: le livre sur le livre: théorie et pratique, publicado em 1934, obra que representa a maturidade do seu pensamento sobre a organização e o acesso ao conhecimento.
 No Traité, Paul Otlet define o objeto de estudo da documentação – o documento –, propõe metodologias e técnicas para estudá-lo, sinalizando também para a necessidade de criar algumas interdisciplinas, constituídas pelas interfaces com a sociologia, psicologia, lógica, lingüística, estatística, entre outras. Essa visão ampla revolucionou não só o modo de trabalhar com a informação no seu tempo, mas também teve impactos que perduram até hoje. Na contemporaneidade, os estudos sobre a obra de Otlet têm sido retomados por inúmeros pesquisadores, tais como W. Boyd Rayward, professor da Universidade de Chicago, biógrafo de Otlet, Michael Buckland, professor da Universidade da Califórnia, Bernd Frohmann, professor da Faculdade de Estudos de Informação e Mídia do Canadá, José Lopes Yepes, da Universidade Complutense de Madrid, entre outros.

Fonte: 54 Ci. Inf., Brasília, v. 36, n. 2, p. 54-63, maio/ago. 2007. Link

Receba Conteúdo Atualizado