Menu

Pesquisas

FEBAB

Arquivo do blog

Inforbiblio Copyright © 2009 - Toos os Direitos Reservados. Imagens de tema por MichaelJay. Tecnologia do Blogger.

Destaque

Mestre em Ciência da Informação - PCD

O bibliotecário Igor Peixoto Torres Girão, tornar-se o primeiro mestre em Ciência da Informação com múltiplas deficiências do Norte e Nor...

Visitantes

Arquivo do blog

Siga por e-mail

Postagens mais visitadas

Gestora do Inforbiblio

VeeThemes

Rose Marques

Bibliotecária formada pela Universidade Federal de Alagoas (UFAL). Atualmente trabalha com Gestão de Arquivos. Entusiasta das redes sociais e TI. Blogueira desde 2008 e apaixonada por design de interiores, adora jogar The Sims 4. Fã de cinema e séries. Curte MPB dos anos 80 e música romântica. Também ama ler e sonha em criar um lugar que seja um misto de biblioteca com livraria, ou algo do tipo..

Instagram

Facebook

07 junho 2017

Almiraci Dantas



Almiraci Dantas dos Santos, é Coordenadora da Biblioteca Pública Estadual Graciliano Ramos e do Sistema Estadual de Bibliotecas Públicas de Alagoas da Secretaria de Estado da Cultura. Coordenadora do Programa PROLER. É presidente do Sindicato dos Bibliotecários alagoanos (SINBIBLIO/AL). Pesquisou e organizou o registro do Conhecimento acerca da Memória Histórica Institucional do Curso de Biblioteconomia da Universidade Federal de Alagoas (UFAL). Pesquisadora na temática: MEMÓRIA E HISTÓRIA INSTITUCIONAL E PATRIMÔNIO (I)MATERIAL. Graduada em Biblioteconomia pela UFAL.






Nossa entrevistada é mais conhecida como Mira Dantas, nasceu em um povoado de difícil acesso no município de Piaçabuçu, chamado Potengi. Aos 14 anos ela só estudava, como a maioria das meninas da sua idade, mas com a iniciativa da Secretaria da cultura de Piaçabicu, de colocar um professor de música para o coral da igreja, ela se inscreveu para participar. “O Grupo Caçuá - de artes integradas, com foco no regionalismo estava precisando de um representante de Piaçabuçu, então eu fui eleita para fazer parte do grupo, cantando e recitando valores regionais."

Esses recitais englobavam toda a cultura do município de Piaçabuçú e das cidades ribeirinhas no entorno do Rio São Francisco, assim como Alagoas e todo o nordeste. Ela conta que surgiu a necessidade de mudar-se para a cidade de Piaçabuçu devido à existência de uma casa alugada pelo prefeito da cidade, onde o grupo se reunia toda a semana para ensaiar. A casa era toda caracterizada com poesias e frequentada por pessoas de vários lugares de Alagoas, inclusive de Maceió. Depois a casa não pode mais ser alugada e Mira foi morar com a então secretária de cultura, Dalva de Castro, a quem chama carinhosamente de segunda mãe. “Ela cuidou de mim e me ensinou muitas coisas.”
O grupo Caçuá fazia excursões por todo Brasil. Com eles, Mira aprendeu artes teatrais, música, dança e interpretação. “A partir disso eu conheci muitas pessoas do país e daí eu aprendi a ver em mim uma beleza que eu não conhecia, aprendi a valorizar minha cidade, a saber quão belo era o rio, quão belo era o pescador, quão bela era a lavadeira na beira desse rio. Foi a partir do olhar dos visitantes que sabiam valorizar tudo aquilo, que eu clareei a minha visão e aprendi não só a dar valor, mas também sentir muito orgulho do meu lugar.”

Ainda através do Caçuá, Mira engajou-se em outros projetos, dentre eles o que encabeçou a ONG Olha o Chico, que em seu Estatuto tinha várias diretorias. Pasmem… Com apenas 16 anos, ela assumiu a diretoria de comunicação. Que menina precoce!. “Eu fazia bonecas de informativos, colhia as informações, fazia a impressão e saía de bicicleta entregando nas casas".
Ela fazia ainda um programa na Rádio Mandim - uma rádio comunitária que cedeu 1 (uma) hora para a ONG. E ela aproveitou muito bem, passando informativos sobre a Organização e sobre a conscientização da preservação do Rio São Francisco. Mira também fazia entrevistas em seu programa abrindo espaço para os pescadores da região que davam dicas de pesca, sobre a maré, sobre a época propícia para pescar, como também, quando era proibida a pesca na qual o IBAMA chama de 'Época do Defeso'. “Tinha também o momento cultural, então eu convidava sanfoneiros do povoado, convidava a Filarmônica Euterpe, entre outros. Eu inventei uma personagem, a Dona Chica, eu falava como uma velha, agia como uma velha, pensava como uma velha. O programa era todos os sábados, passava no dia de feira, na hora de feira. Então as pessoas gostavam porque ela era irreverente. 

Depois eu tive uma parceira que fazia a minha comadre fuxiqueira.
Quando Mira já fazia o ensino médio, a Secretária Dalva sempre levava cursos do Sebrae e do Senai para o município. Um dos cursos que ela fez foi sobre o cultivo da mandioca. Alem disso, existia também a Fundação Accioly Gama (FUNTAG), e Dalva promovia festivais de teatro e Mira também se aventurou na montagem de peças teatrais. “Eu montei umas 3 (três) peças. Eu mesma escrevia, dirigia, fazia a sonoplastia, tudo. Uma dessas peça ganhou os prêmios de sonoplastia, melhor ator coadjuvante e melhor direção. A peça vencedora tinha que ser apresentada nos povoados e não tínhamos transporte adequado para isso, então nós usávamos a caçamba de lixo da cidade. A noite nós lavávamos a caçamba e montávamos o palco sobre ela (tipo teatro mambembe), estacionávamos na praça, colocávamos os  holofotes e gelatinas, fazíamos as caracterizações e chamávamos o público para assistir."

Eu perguntei à Mira o que a motivou a querer fazer um curso superior, ela respondeu que existia uma biblioteca na cidade, sem bibliotecário (a), para variar, e ela fazia de tudo um pouco por lá. “Então aconteceu um projeto do SESC, a exposição de imagens do “Tatibitati” livro de Fátima Maia. Foi quando a Dalva pediu para que fosse feita contação de história com o livro Tatibitati, daí eu contei historinhas pela primeira vez. Os alunos vinham das escolas para visitar a exposição e depois levamos essa contação também para os povoados. Perguntei se ela apaixonou-se pela biblioteca e por isso escolheu a Biblioteconomia. Ela respondeu: "Não, mesmo porque eu era apaixonada por tudo que eu fazia, não foi a biblioteca que determinou isso. Eu nem sabia o que queria fazer, só sabia que tinha que ser algo relacionado com o público. Pensava em jornalismo, pensei até em medicina, depois desisti". Contou Mira. Perguntei também se ela não pensou em fazer um curso superior em Teatro e ela respondeu que não, nunca quis fazer, nem pensou em fazer música.

Pedi a Mira que contasse sobre a odisseia de sair do interior para estudar na capital. "Aos 18 anos Fiz o primeiro vestibular e não passei, daí minha mãe biológica que já era merendeira, tirou um empréstimo no banco para bancar um cursinho pra mim. Me juntei com mais duas colegas que estavam vindo para Maceió e ficamos no apartamento de outra colega, no bairro do Feitosa. Dividimos as despesas, o aluguel e tínhamos as mensalidades do cursinho para pagar. Eu tinha que fazer valer, tinha que estudar muito, me dedicar extremamente. A minha ânsia foi tanta que eu passei a não me cuidar. Daí eu comecei a me distanciar do Caçuá, da ONG, me distanciei de tudo. E também passei a não me alimentar direito, com isso eu entrei em depressão e tive vários problemas de saúde, não conseguia nem tomar água. Então tive que voltar pro interior pra me restabelecer. Voltei  chorando, pois iria perder uma semana de cursinho. Recuperada voltei à Maceió, fiz o vestibular e novamente não consegui passar. Como não tinha como permanecer aqui, regressei novamente ao interior. Passaram-se 6 (seis) meses e minha mãe mais uma vez me ajudou. Ela me disse: 'Arrume um lugar para morar. Todo mês e vou lhe enviar uma ajuda de custo.' Passei a morar na casa de uma amiga, por convite dela."

Mira retomou suas atividades na ONG e esta passou a ter representatividade no Comitê da Bacia do Rio São Francisco, pois o objetivo dessa ONG era meio ambiente, arte e cultura. Ela ficou como representante suplente da ONG. "Então comecei a viajar mais do que antes pelo Brasil. Nessas andanças eu conheci o Marido de uma professora da UFAL que também fazia parte do comitê. Conversando com ele, o mesmo me questionou: Porque você não faz Biblioteconomia? Eu: Biblio o quê? Ele: Minha esposa é professora de Biblioteconomia, penso que você vai gostar. Fiquei querendo saber o que era isso, biblioteconomia… Então comecei a pesquisar e ver as áreas de atuação e percebi que tinha a ver com o que eu já fazia. Foi aí que eu me decidi pela Biblioteconomia e fiz o vestibular pela terceira vez. Passei em 4º lugar e me apaixonei e continuo apaixonada até hoje." Finalizou Mira.

Vou confessar que essa entrevista não terminou aqui, apesar dessa carinha de menina, essa mulher ainda tem muita história pra contar... Acompanhe aqui na Parte II

Nenhum comentário:
Write comentários

Receba Conteúdo Atualizado